Manejo pré-abate e sua importância

O pré-abate é a etapa responsável pelo carregamento dos frangos em idade de processamento das granjas à planta por meio de quatro operações - programação de retirada, jejum, carregamento e transporte. Devido ao seu significativo potencial de riscos à qualidade, rendimento de carcaça e inocuidade alimentar, é imprescindível que essa fase seja muito bem coordenada a fim de que seja assegurada a integridade da matéria-prima entregue ao abatedouro.

O pré-abate inicia com a elaboração do programa de retirada, para que haja tempo suficiente e adequado para preparar, corretamente, os galpões de onde serão retirados os frangos. A programação informa a hora do corte da ração, a quantidade de aves a ser carregada, o número de aves por gaiola e a hora do início e término de carregamento de cada caminhão.

A etapa seguinte é o corte da ração, o jejum, que tem a finalidade de esvaziar o sistema gastrointestinal das aves antes do apanhe. Após a retirada da ração, deve-se garantir às aves acesso livre à água até que o carregamento seja iniciado. A água desempenha outro papel importante, que é o de assegurar o inquestionável conforto térmico às aves durante o apanhe e transporte, reduzindo o risco de mortalidade.

A coleta das aves é um procedimento delicado. Bebedouros e comedouros devem ser removidos antes do início do trabalho. Preocupar-se com o arejamento do galpão durante o carregamento. Dividir os galpões em currais contendo a quantidade aproximada de aves por carga em cada um deles antes de começar o carregamento e cercar as aves, em grupos de 200 a 400 animais, facilita, expressivamente, o manuseio e a coleta das aves. A qualificação e o grau de conhecimento do supervisor de carregamento e dos apanhadores, a presença do granjeiro durante todo o trabalho, e a adoção de um método de apanhe que, de fato, proteja a ave, são pré-requisitos fundamentais para os resultados.

A elaboração do programa de transporte deve contemplar as distâncias entre as granjas e a planta, o tipo de estradas e o peso dos caminhões vazios e carregados, para que seja possível programar os tempos de viagem. Os caminhões devem estar equipados com recursos que assegurem o conforto térmico das aves durante a viagem, uma das principais causas de mortalidade de transporte.

 

 

 

Autor: Assessoria de Comunicação Itabom - Mariana Ortigosa Vilhalva

Fonte: Avicultura Industrial

URL: www.itabom.com.br